segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Aconteceu no dia 25 de agosto, o primeiro encontro do Projeto Universidade Reabilitadora, organizado pelo Instituto Increasing.


 Com o titulo “Saúde da Mulher com Deficiência Física”, foram abordados de forma interdisciplinar, temas como a Saúde Ginecológica, Aspectos da Gestação e Sexualidade.

A participação dos inscritos foi muito proveitosa para todos, profissionais da área da saúde, cuidadores, pacientes e familiares criaram um cenário de compartilhamento de opiniões muito importante para avançarmos em melhorias neste seguimento. Uma das questões mais abordadas, foi a acessibilidade a exames de mamografia e consultas ginecológicas em ambientes adaptados. Algumas ações já ocorreram, mas o aumento de mulheres com deficiência física traz a necessidade de redimensionamentos. 

A mulher com deficiência física tem os mesmos problemas de saúde que todas as mulheres, e
ainda, o universo específico da reabilitação para gerenciarem. Agregando funções como o auto-cuidado, gerenciamento de suas carreiras e vidas pessoais, a mulher tem desafios a serem vencidos.

Segundo Dr Gustavo Fernandes, “A suscetibilidade a problemas na mama, colo do útero e doenças sexualmente transmissíveis não pode ser negligenciada”. Uma das participantes compartilhou: “Depois de meu acidente, fiquei mais de dois anos sem ir ao ginecologista”. Conversamos sobre isto. É natural que a questão da reabilitação passe a ocupar um espaço integral na vida das pessoas. E no tempo certo, os cuidados gerais devem ser reinseridos. 

O desejo pela gravidez é parte do universo feminino, a maternidade é um desafio para todas as mulheres. Como dito pela Fisioterapeuta Pélvica Laise Veloso, “O prelúdio da gestação é o resgate da expressão de afeto através da sexualidade. Por isso a importância de conhecer o funcionamento do próprio corpo”. A Sexualidade humana ultrapassa os limites da reprodução e é uma forma de relacionamento que deve ser compreendida e aprimorada. 

Por fim, a Dra Augusta Morgado discutiu as peculiaridades da gestação, “As expectavivas quanto
ao decorrer da gravidez são as mesmas, mas alguns temores em função da deficiência podem trazer varias dúvidas”. Por isso, a importância do período pré natal, a necessidade de planejamento familiar é essencial para a condução do escolha da modalidade de parto e organização do período puerperal. 

Agradecemos a todos os participantes e apoiadores. E convidamos a todos a participar do nosso próximo evento, em 20.10.2017 com o Tema “Mercado de Trabalho e Deficiência Física”.