sexta-feira, 17 de abril de 2020

Dicas para o equilíbrio emocional durante a pandemia do coronavirus




O mundo está tendo de conviver com os desdobramentos da pandemia de coronavírus. Entre as duras mudanças que a doença impôs ao nosso dia a dia, sem dúvida o isolamento e/ou distanciamento social tem sido um dos aspectos mais desafiadores. Compreendendo a importância de discutir essa condição, convidamos Tatiana Camargo Guimarães, psicóloga e membro da Equipe Increasing, para dar dicas de como transformar este período em algo menos impactante no âmbito emocional e mais produtivo para cada um de nós. Confira:

- Como a nossa mente é afetada por essa grande quantidade de acontecimentos relacionados a esta pandemia?

Tatiana Camargo Guimarães - De forma geral, fomos afetados por uma necessidade de mudança, e esta mudança de rotina foi abrupta. Tivemos, ou melhor, estamos tendo que nos adaptar a este novo cenário, e isso está favorecendo a todos a saírem da zona de conforto, o que gera sentimentos adversos ao longo do dia. Outro aspecto importante que afeta a nossa mente é este excesso de informações que estão sendo vinculadas na mídia. O consumo excessivo de notícias pode levar a um estado mental de constante alerta, o que favorece sentimentos de medo, ansiedade, angustia, impotência, além de prejudicar diretamente o relaxamento e a capacidade de discernimento que podem interferir diretamente na qualidade de vida. Isso é capaz de desajustar a qualidade do sono, da alimentação e da nossa rotina diária.

- Qual é o aspecto mais importante que devemos nos atentar para transformar este período em algo positivo?

Tatiana Camargo Guimarães - Eu diria que uma primeira etapa é entender que todas as medidas estão sendo tomada, visando à preservação de todos. E sim, há necessidade de um distanciamento e/ou isolamento social por um período. A sensação de distanciamento e/ou isolamento pode trazer sentimentos de solidão e tristeza, então, sempre que possível, mantenha o contato com pessoas importantes via telefone, redes sociais, chamada de vídeo e mensagens.

Pode-se também aproveitar este tempo em casa para realizar atividades que são prazeirosas ou realizar as atividades que há tempos estavam sendo proteladas pela falta de tempo. É muito válido olhar para este “ficar em casa” como uma oportunidade de realizar as nossas atividades. Pode ser uma grande oportunidade de fortalecimento emocional.

- O que pode funcionar como gatilho de ansiedade nessa situação que estamos vivendo?

Tatiana Camargo Guimarães - Um dos gatilhos é o excesso de informação, pois pode em muitos momentos acelerar a mente e provocar sentimentos de ansiedade. Outra questão é não ter uma rotina saudável e estruturada dentro desta nova demanda. A rotina é organizadora para os indivíduos e falta dela pode gerar a sensação de desorganização interna, podendo ser vivenciada como angústia.

- E quais cuidados devemos ter ao lidar com as notícias?

Tatiana Camargo Guimarães - Acredito que nos manter informados é muito importante, entretanto o excesso  de informação é altamente nocivo, sugiro acompanhar as notícias uma vez por dia e de fontes seguras, como por exemplo as informações fornecidas pelo boletim do Ministério da Saúde.

- Sabemos que as atividades físicas podem ajudar a combater a ansiedade e o estresse. Sendo assim, quais exercícios são recomendáveis para quem não está habituado a praticar?

Tatiana Camargo Guimarães - Os exercícios são muito valiosos para auxiliar no equilíbrio das nossas emoções. Acredito que exercícios de meditação são importantes, pois ajudam a desacelerar o pensamento e auxiliar na qualidade de vida, e para aqueles que não praticam atividades físicas já a meditação auxilia em iniciar uma pratica. Outro aspecto que também pode favorecer este desacelerar é investir em atividades que favoreçam o seu prazer como: ouvir música, ler livros, escrever, enfim, atividades que procurem agradar o eu. Isso com certeza auxilia na manutenção da qualidade emocional.

- Como manter uma rotina produtiva para quem está fazendo "home office"? 

Tatiana Camargo Guimarães - Procurar manter horários que já são estabelecidas no local de trabalho, fazer pequenas pausas durante o dia, respeitar os horários das refeições. Estas atitudes são positivas para manter o aspecto emocional em dia.

- O que recomendaria para quem está passando por esse período sem companhia?

Tatiana Camargo Guimarães - Dentro da possibilidade individual, deve-se procurar manter os contatos sociais a distância: utilizar das redes sociais, telefones ou mensagem. O contato com pessoas que são importantes é extremamente positivo neste momento. Aliado a isso, procurar sempre manter uma rotina estruturada das atividades laborais e de alimentação saudável.

- E para quem já tem histórico de síndrome do pânico e demais transtornos?

Tatiana Camargo Guimarães - Manter o acompanhamento com o profissional ou profissionais que o acompanham é de suma importância, além de seguir todas as orientações destes profissionais neste momento. Isso auxilia demais a evitar situações que possam ser gatilhos de ansiedade e angústia.

- Considerando o aspecto psicológico, que proveito podemos tirar dessa experiência de isolamento e/ou distanciamento social quando retomarmos nosso cotidiano?

Tatiana Camargo Guimarães - Acredito que ter a disponibilidade de olhar para esta situação sob um novo prisma é extremamente positivo, ou seja, olhar esta situação sob a perspectiva de estar ajudando o coletivo, de poder por em prática atividades que não eram realizadas na rotina de antes, de novas aprendizagens. Tudo isso pode favorecer sentimentos de resiliência e gratidão que são extremamente importantes para a manutenção do nosso equilíbrio emocional. Outro aspecto fundamental é poder vivenciar um dia de cada vez. Vivenciar o presente auxilia no amadurecimento emocional.