quinta-feira, 4 de agosto de 2022

Os benefícios da colostroterapia bovina no desempenho físico, na saúde e na doença


Colostro bovino (leite precoce) é o leite inicial produzido pelas vacas, geralmente obtido nas primeiras 48 horas pós-parto. Como o leite “normal”, contém uma fonte de nutrição riquíssima, tanto em termos de macronutrientes quanto de micronutrientes, mas também é abundante em componentes bioativos, incluindo fatores imunológicos, de crescimento e antimicrobianos.

Comparado ao leite maduro, o colostro bovino contém o dobro da gordura, cerca de cinco vezes o teor de proteína e um teor significativamente maior da maioria dos micronutrientes. Ele também contém entre 50 e 300 vezes maiores concentrações de imunoglobulinas (IgG, IgA, IgM), até 250 vezes maiores concentrações de lactoferrina e até o dobro do conteúdo de outras proteínas e peptídeos antimicrobianos (como lactoperoxidase e lisozima). Também é rico em citocinas, fatores reguladores imunológicos e fatores de crescimento. Muito provavelmente, é a concentração relativa e a bioatividade desses componentes que se relaciona à qualidade do colostro bovino e a extensão em que influencia os resultados em seres humanos. Os componentes de baixo peso molecular, por exemplo, que estão biologicamente disponíveis após digestão, podem ser responsáveis por efeitos sistêmicos relacionados às defesas do organismo, enquanto fatores de crescimento podem ter efeitos locais no intestino.

Os benefícios incluem potenciais efeitos diretos no desempenho físico e/ou recuperação e efeitos indiretos, por meio da promoção da saúde de forma geral, proteção do intestino contra estressores/insultos, manutenção da função imunológica equilibrada e redução do risco de doenças. Entretanto, algumas áreas têm sido mais estudadas, apresentando benefícios específicos, como desempenho físico, integridade intestinal e promoção do balanço imunológico adequado.

Desempenho Físico: Composição Corporal e Força

A suplementação com colostro bovino demonstrou melhorar a composição corporal, promovendo ganho muscular e perda de gordura. Em conjunto com o treinamento resistido, existem evidências de que o colostro bovino pode promover maiores ganhos de massa muscular, força e perda de gordura corporal. 

A fadiga em exercícios de alta intensidade (exercícios de exaustão) está relacionada à capacidade e taxa limitada de glicólise anaeróbica, acúmulo de subprodutos metabólicos e acidose muscular por meio do aumento de íons hidrogênio. Da mesma forma, atividades como sprints ou sprints repetidos com curtos intervalos de recuperação são limitados por vários fatores, incluindo o declínio no ATP muscular e nos pools de fosfato e o acúmulo de subprodutos metabólicos. Esse tipo de desempenho pode ser aprimorado aumentando a capacidade de tamponamento (capacidade de tampão intracelular para sequestrar H+ ou capacidade de tampão extracelular permitindo maior efluxo de H+ para fora das células musculares). A suplementação de colostro bovino sugere exercer efeitos por meio de tal mecanismo. Em remadoras, a suplementação de 60 g/d de colostro bovino, durante um programa de treinamento de 9 semanas, aumentou a capacidade de tampão sanguíneo em comparação com o placebo (proteína de soro de leite).

Em outros estudos, o colostro demonstrou atenuar marcadores inflamatórios relacionados a danos musculares induzidos pelo exercício e acelerou a recuperação da força explosiva. Isso pode ter implicações para a adaptação e melhorias crônicas no desempenho em resposta ao treinamento para esportes intermitentes. Também há evidências de melhora na recuperação e capacidade física com a suplementação de colostro para outras formas de exercícios exaustivos, como basquete, ciclismo e corrida.

Integridade Gastrointestinal, Imunidade e Infecção 

O colostro bovino contém imunoglobulinas como as IgG, IgM, IgA, IgD e IgE. IgG e IgM , que funcionam em infecções sistêmicas, enquanto a IgA funciona dentro superfícies do corpo, como o intestino.

O colostro contém uma ampla gama de imunoglobulinas antimicrobianas e imunoglobulinas, bem como fatores anti-inflamatórios e promotores de crescimento que podem contribuir para o aprimoramento do sistema imunológico adquirido e inato, incluindo uma variedade de peptídeos e proteínas com efeitos antimicrobianos diretos.

Os suplementos de colostro bovino contêm uma grande variedade de ingredientes antioxidantes e anti-inflamatórios, antimicrobianos, vitaminas e minerais, bem como compostos promotores de crescimento e imunoestimulantes que produzem efeitos benéficos no trato gastrointestinal. Aproximadamente 70% do sistema imunológico está localizado no trato gastrointestinal.

A síndrome do intestino irritável, uma doença inflamatória intestinal, é um dos distúrbios mais comuns das interações intestino-cérebro e estima-se que afete cerca de 1 em cada 10 pessoas em todo o mundo.

A patogênese da doença inflamatória intestinal envolve fatores ambientais e genéticos, microbiota alterada e resposta imune anormal. Consequentemente, as estratégias terapêuticas atuais são direcionadas para distúrbios no sistema imunológico, que contribuem para o desenvolvimento da inflamação intestinal crônica. Além disso, evidências recentes indicam que a doença inflamatória intestinal.

O colostro bovino pode ter efeitos antimicrobianos diretos e neutralizantes de endotoxinas em todo o trato alimentar e outras bioatividades que controlam a inflamação intestinal e promovem a integridade da mucosa e o reparo do tecido. Os constituintes do colostro bovino também podem contribuir para a recuperação durante eventos inflamatórios intestinais, especialmente na doença inflamatória intestinal, resultantes de efeitos anti-inflamatórios localizados após o contato com a mucosa intestinal.

Os componentes do colostro bovino são (a) fatores imunológicos, ou seja, as imunoglobulinas, lactoferrina, lisozima lactoperoxidase, microRNA, glicoconjugados, linfócitos B e T, leucócitos, interleucinas e outras prolinas ricas em polipeptídeos; (b) fatores de crescimento; e (c) nutrientes. Além da lactose, o nível dos ingredientes bioativos como gordura, proteína, peptídeos, minerais e vitaminas, fatores de crescimento, citocinas, hormônios, nucleotídeos no colostro bovino são mais altos imediatamente após o parto, começando a reduzir mais intensamente dentro de 72 h pós-parto. Muitos fatores influenciam a qualidade dos suplementos do colostro bovino, como intervalo entre partos, raça, idade, estações do ano, fatores genéticos, estresse térmico e umidade, além dos processos tecnológicos e condições higiênicas de produção.

O colostro colhido duas horas após o parto teve a influência mais substancial na permeabilidade intestinal.

Outro constituinte importante do colostro é a lactoferrina, que é uma glicoproteína multifuncional de ligação ao ferro pertencente à família das transferrinas. Está presente na maioria das secreções lácteas e atinge concentrações particularmente altas no colostro e no leite materno.

Influencia diretamente no crescimento e proliferação de enterócitos e também possui uma forte atividade antimicrobiana. Além disso, a lactoferrina tem um impacto nos níveis de citocinas e quimosinas que são produzidas pelas células GALT (tecido linfoide associado ao intestino) e cria um ambiente para o crescimento de bactérias benéficas no intestino. Exerce uma influência potencial na integridade da barreira intestinal e previne a síndrome do intestino permeável.

As imunoglobulinas são a fração proteica mais importante do colostro bovino e também são produzidas pelos glóbulos brancos em nossos corpos. Uma recente revisão sistemática e metanálise analisou os efeitos imunológicos da suplementação de COLOSTRO bovino em indivíduos treinados e ativos. Os resultados desses estudos mostraram que a suplementação com colostro bovino teve pouco ou nenhum efeito nas alterações dos níveis séricos de imunoglobulinas (IgA e IgG), bem como nos níveis de linfócitos, neutrófilos e imunoglobulinas (IgA) presentes na saliva. Essa ineficácia foi ainda mais grave, pois as doses utilizadas em diferentes estudos foram de 10 a 25 g/dia, enquanto os fornecedores comerciais costumam recomendar uma ingestão diária entre 500 mg e 1 g/dia.

Colostro bovino contém fator de crescimento de insulina-I (IGF-1) que estimula o crescimento e reconstrução de células e tecidos. Estudos em animais sugerem que o IGF-1 desempenha um papel fundamental na reconstrução da integridade do epitélio intestinal após danos. No entanto, o IGF-1 neonatal a suplementação não mostrou diferenças entre o grupo placebo e colostro bovino nos testes de açúcar após 14 e 21 dias de suplementação. Há aumentos significativos nas concentrações séricas de IGF-1 após a suplementação de colostro bovino por 14 dias. A IGF-1 pode promover o desenvolvimento de enterócitos e reduzir a permeabilidade intestinal.

Benefícios para o sistema respiratório e contribuições no Manejo Clínico da COVID-19

A ingestão de colostro bovino é benéfica para a imunidade do sistema respiratório humano. No entanto, os mecanismos para seus efeitos ainda são desconhecidos e mais estudos são necessários.

Evidências atuais indicam que o colostro foi capaz de prevenir infecções virais e reduzir a gravidade dos sintomas.

A suplementação também pode ter algum impacto positivo como medida profilática contra a infecção por SARS-CoV-2.

São necessários mais estudos sobre os efeitos do consumo de colostro na saúde do trato respiratório inferior e na asma.

Além dos benefícios do colostro bovino relacionados ao COVID-19, há uma indicação sólida da suplementação de colostro bovino como uma importante fonte de moléculas bioativas capazes de proporcionar melhorias à saúde. Portanto, a incorporação do colostro bovino nos hábitos alimentares humanos pode ser favorável. 

Sob supervisão profissional adequada, alimentos ou suplementos contendo colostro bovino podem ser propostos como adjuvantes na terapia para pacientes com infecções e alergias respiratórias, bem como para os pacientes imunossuprimidos.

Assim, o desenvolvimento de produtos colostro bovino ou sua utilização como ingrediente alimentar devem ser melhor estudados, devido ao seu potencial de aplicação no contexto da saúde, especialmente em uma emergência de saúde pública, quando são necessários esforços sérios para proporcionar e/ou melhorar a saúde da população.