quinta-feira, 24 de junho de 2021

Encarceramento intrapélvico de raízes nervosas pelo músculo piriforme



A dor ciática é um problema comum, que atinge cerca de uma em cada três pessoas em algum momento da vida. Embora a maioria dos casos seja geralmente atribuída a problemas da coluna, pinçamentos do nervo ciático ou de suas raízes podem ocorrer também dentro da pelve ou na região glútea profunda.

A síndrome do piriforme foi descrita em 1937 por Beaton & Anson, que já naquela época relataram cinco variações anatômicas que poderiam potencialmente pinçar o nervo ciático no espaço glúteo profundo. Desde então, várias outras variações anatômicas do músculo piriforme capazes de encarcerar o nervo ciático no espaço glúteo profundo foram descritas.

O desenvolvimento da técnica de Neuronavigação Laparoscópica (LANN), trazida ao Brazil pelo Dr. Nucelio Lemos em 2010, permitiu o acesso à porção intrapévica do plexo lumbosacral. Através da técnica LANN, identificamos feixes anormais do músculo piriforme originários medialmente aos forames sacrais e pinçando as raízes que formam os nervos ciático e pudendo (Figura 1). 

Figura. Esquerda (A & C) – plexo sacral intrapélvico normal, com as raízes nervosas (S2, S3 e S4) no aspecto ventral do músculo piriforme. Direita (B) – variante anatomia, com as raízes nervosas (S2 e S3) presas entre o feixe de piriforme aberrante (APB) e os feixes normais de músculo piriforme (PM). D – visão intraoperatória após a transecção do feixe anômalo do piriforme em um procedimento de descompressão nervosa pela técnica LANN. HF – fáscia hipogástrica, PSN – nervos planítricos pélvicos


Neste artigo, relatamos os resultados dos primeiros casos de tratamento laparoscópico dos encarceramentos nervosos intrapélvicos causados pelo músculo piriforme. 

Após a cirurgia, 62,5% dos pacientes apresentaram neuralgia pós-descompressão, que durou por uma média cinco meses. Um de nossos pacientes apresentou perda de força muscular na perna, que durou até um mês após a cirurgia e, então, se normalizou. Passado o período pós operatório incial a taxa de sucesso do procedimento foi de 87,5%. 

Vale ressaltar que o tratamento nem sempre é cirúrgico. Na maioria das vezes  o tratamento inicial é a fisioterapia e o uso de relaxantes musculares. E em alguns casos, utiliza-se a toxina botulinica com o objetivo de paralizar o feixe anômalo do músculo piriforme. 

O diagnóstico, também precisa ser muito cuidadoso, pois essa variação anatomica do músculo periforme é muito frequente na população geral e, na maioria dos casos, é assintomática. Assim, para saber se o feixe anômalo é realmente a causa da dor, é necessário uma combinação de avaliação clínica criteriosa, achados de imagem e bloqueios nervosos diagnósticos.

Para isso, uma equipe multidisciplinar integrada e especializada em Neuropelveologia é essencial.

Confira o artigo completo em inglês "Intrapelvic entrapment of sacral nerve roots by abnormal bundles of the piriformis muscle: description of an extra-spinal cause of sciatica and pudendal neuralgia". O estudo foi publicado na revista Journal of Hip Preservation Surgery, da International Society of Hip Arthroscopy

Este trabalho foi feito pela Equipe Increasing de Neuropelveologia em parceria com a equipe da Universidade de Toronto (Canadá) e com membros do departamento de Radiologia do Hospital Sírio Libanês e dos departamentos de Ginecologia da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) e da FCMSCSP (Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo). 

Autores: Corey Sermer, Adrienne L.K., Gustavo Leme Fernandes, Augusta Morgado Ribeiro, Giancarlo Polesello, Denise Tokechi, Laura Cancelliere e Nucelio Lemos