segunda-feira, 29 de março de 2021

Abordagem nutricional em pacientes com câncer no contexto da COVID-19



Como é do conhecimento de todos, a disseminação da COVID-19 surgiu de uma pandemia originada na cidade de Wuhan, China, em dezembro de 2019.

Desde então, observou-se que algumas pessoas infectadas com COVID-19 desenvolvem um desequilíbrio nas reações imunológicas, prejudicando a resposta contra o vírus e aumentando de forma exagerada a resposta inflamatória, podendo causar danos aos tecidos saudáveis.

Em alguns casos, esses danos são responsáveis pela síndrome respiratória aguda grave do coronavírus 2 (SARS-COV2), levando a uma síndrome respiratória aguda, que pode ser fatal. 

Nutrição no contexto da COVID-19

Hábitos alimentares inadequados e obesidade, entre outros fatores, predispõem a um estado pró-inflamatório prévio, podendo ter um papel crucial no prognóstico e na evolução da doença. 

Pacientes em tratamento oncológico têm maior comprometimento da imunidade, sendo mais suscetíveis a adquirir infecções, o que acarreta em maior risco de desenvolver formas mais graves da COVID-19. 

Outra preocupação que envolve pacientes com câncer é que estes já apresentam uma exacerbação do estado inflamatório, devido ao tumor maligno. 

Uma vez que um estado pró-inflamatório pode piorar o prognóstico da COVID-19, a modulação da inflamação sistêmica por meio de modificações dietéticas e nutricionais pode ser benéfica, prevenindo as sequelas clínicas de COVID-19. 

Abordagens nutricionais preventivas

Hábitos alimentares saudáveis, introdução de alimentos anti-inflamatórios e com propriedades antioxidantes e funcionais e algumas suplementações específicas de nutrientes e compostos, bem como prevenção da obesidade, tem se mostrado como as abordagens preventivas mais racionais para controlar a hiperinflamação e melhorar a função imunológica. Tudo isso ajuda a reduzir o risco de várias doenças e infecções. 

Modificações dietéticas para prevenir a desnutrição e perda excessiva de peso e massa muscular, bem como prevenir e reduzir a obesidade, são as abordagens preventivas tradicionais mais eficazes no controle da hiperinflamação, melhorando o sistema imunológico. 

Abordagens nutricionais que promovem efeitos anti-inflamatórios devem ser recomendadas para todos os pacientes com câncer, a fim de reduzir os danos fisiológicos dos estados pró-inflamatórios e a carga de doenças crônicas e, secundariamente, prevenir e minimizar a gravidade da COVID-19.

A abordagem nutricional para prevenção do agravamento da COVID-19, principalmente em pacientes com câncer durante o tratamento antineoplásico inclui práticas dietéticas saudáveis, com destaque aos alimentos anti-inflamatórios, alimentos ricos em ômega-3, uso de pré e probióticos e suplementação de vitamina D.

Todos esses aspectos, somados a outros hábitos de qualidade de vida, são importan-tes para reduzir o risco do agravamento da COVID-19. O ideal é buscar a orientação de profissionais especialistas na área.

Por Dra. Adriana Garófolo, especialista em Nutrição da Equipe Increasing - CRN: 10744

Artigo adaptado de “Adriana Garófolo , Lyon Qiao & Priscila dos Santos Maia-Lemos (2020): Approach to Nutrition in Cancer Patients in the Context of the Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Pandemic: Perspectives, Nutrition and Cancer, DOI: 10.1080/01635581.2020.1797126”

Link para o artigo original aqui.